top of page

Doenças transmitidos por carrapatos e transtornos mentais em crianças: uma conexão pouco reconhecida



Não há dúvida de que a taxa de doenças mentais pediátricas aumentou nos últimos vinte a trinta anos. Isso inclui autismo, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), depressão, transtorno bipolar pediátrico, bem como transtornos de ansiedade. Estudos indicam que metade das doenças mentais em adultos começa aos 14 anos. Uma intervenção precoce bem-sucedida pode diminuir a persistência dos sintomas na idade adulta, o que tem um impacto emocional, social e econômico significativo nas pessoas em todo o mundo.

Nas últimas décadas, tem havido uma abordagem mais biológica para examinar as causas potenciais dos transtornos mentais. Há muito menos da velha abordagem de "procurar culpar", seja focando em interações familiares difíceis ou o exemplo clássico da "mãe geladeira" cuja fria distância emocional era responsável pelo autismo de seu filho.

Isso não é para descartar a importância das experiências ambientais, como crescer na pobreza ou ser vítima de abuso físico ou sexual. O papel desses fatores no desenvolvimento do cérebro está recebendo uma atenção muito mais merecida. Por exemplo, estudos indicam que um estresse significativo pode romper a barreira hematoencefálica (BHE), o que pode ter efeitos importantes no desenvolvimento. Durante décadas, o cérebro foi considerado um local imune privilegiado, o que significa que foi pensado para ser protegido contra a possibilidade de entrada de substâncias estranhas ou agentes infecciosos (por exemplo, bactérias, vírus, toxinas etc.). Em outras palavras, a BHE serve como uma barreira para proteger o cérebro.

Com o tempo, ficou claro que uma variedade de fatores, incluindo estresse ambiental e traumas, podem romper essa proteção. Essa compreensão causou uma reconsideração de certos elementos da doença mental. Uma quebra na BHE significa que invasores externos (infecções) ou mesmo elementos do sistema imunológico que não deveriam entrar no cérebro conseguem entrar mais facilmente do que pensávamos, resultando em uma variedade de distúrbios de pensamento, comportamento e / ou emoções.

Um resultado dessa abordagem mais biológica da doença mental é o reconhecimento de que infecções como as causadas por bactérias estreptocócicas beta hemolíticas do Grupo A responsáveis ​​por dores de garganta, infecções de ouvido e pneumonia, podem, por meio de autoimunidade em certos indivíduos, criar uma variedade de novos sintomas psiquiátricos. "Autoimunidade" se refere à quando o sistema imunológico do corpo, projetado para funcionar como nosso sistema de segurança para nos manter livre de microrganismos patogênicos, começa a atacar os tecidos saudáveis. O mecanismo por trás desse processo é chamado de "mimetismo molecular". Por exemplo, na doença cardíaca reumática após um episódio de febre reumática aguda, o sistema imunológico do indivíduo que é criado para lutar contra o estreptococo do grupo A ataca a válvula cardíaca saudável e leva a fibrose e problemas crônicos nas válvulas do coração.

Na década de 1990, a Dra. Susan Swedo e seus colegas do Instituto Nacional de Saúde Mental, reconheceram que após uma infecção estreptocócica, alguns indivíduos desenvolveram um início abrupto de sintomas obsessivo-compulsivos ou um tique nervoso, acompanhado por uma variedade de outros sintomas. Essa apresentação clínica é chamada de Transtornos Neuropsiquiátricos Autoimunes Pediátricos Associados a Infecções Estreptocócicas (PANDAS). Os sintomas dessa patologia incluem:

Fúria repentina e inexplicável

Mau humor intenso (labilidade emocional)

Mudanças de personalidade

Sintomas de TDAH (ou seja, hiperatividade, distração, desatenção e / ou impulsividade) que é novo ou piorou repentinamente

Recusa em comer ou dificuldade em comer (geralmente por causa do medo de engasgar-se ou vomitar)

Distúrbios do sistema nervoso, além de tiques, incluindo outros movimentos rápidos e espasmódicos

Comportamentos inadequados para a idade (como medos / rituais na hora de dormir, conversa de bebê)

Ansiedade de separação (por exemplo, medo de dormir sozinho, recusa em estar em um quarto diferente do de seus pais ou recusa de ir a escola)

Hipersensibilidade sensorial (ou seja, sensibilidade aumentada ao toque, paladar, cheiro, som ou luz)

Declínio perceptível nas habilidades de caligrafia e / ou matemática

Micção diurna frequente, urinar na cama recorrente ou aumentada ou queixas repetidas de que a criança ainda se sente molhada

Acredita-se que a doença seja precipitada por uma infecção estreptocócica beta hemolítica do grupo A (GABHS), que então leva a uma resposta autoimune inadequada. Em vez de o ataque imunológico se concentrar nas bactérias invasoras, ele é erroneamente direcionado contra certas áreas do cérebro, como os gânglios da base, levando a alterações neurocomportamentais.

A doença é descrita como episódica e cíclica. Os pacientes podem experimentar o desaparecimento completo dos sintomas entre os episódios. Por outro lado, se houver vários episódios recorrentes, pode ser mais difícil ver um padrão episódico e ele começa a se assemelhar a uma doença crônica.

Frequentemente, existe história familiar de doenças autoimunes nesses pacientes.

Em 2012, foi proposta a categoria diagnóstica de Síndrome Neuropsiquiátrica de Início Agudo Pediátrico (PANS). Ao contrário de PANDAS, que é atribuído a uma infecção estreptocócica, a causa instigante dessa síndrome neuropsiquiátrica não é identificada no nome. Esta categoria é composta por outras infecções ou insultos (por exemplo, traumatismo craniano, exposição a toxinas etc.) com disfunção imunológica resultante que se manifesta principalmente como um início de sintomas psiquiátricos. O transtorno obsessivo-compulsivo e certos comportamentos alimentares são considerados os principais sintomas da PANS. Os critérios incluem:

I. Início abrupto e dramático do transtorno obsessivo-compulsivo ou ingestão alimentar severamente restrita

II. Presença simultânea de sintomas neuropsiquiátricos adicionais, com início semelhante grave e agudo, de pelo menos duas das sete categorias a seguir:

Ansiedade

Labilidade emocional e / ou depressão

Irritabilidade, agressão e / ou comportamentos de oposição severa

Regressão comportamental (de desenvolvimento)

Deterioração no desempenho escolar

Anormalidades sensoriais ou motoras

Sinais e sintomas somáticos, incluindo distúrbios do sono, perda de urina involuntária no período diurno ou noturno ou mesmo micção frequente.

III. Os sintomas não são explicados por um distúrbio neurológico ou clínico conhecido.

Parece ter havido um aumento real na taxa de transtornos psiquiátricos autoimunes pediátricos nas últimas duas décadas. Mas o que tudo isso tem a ver com infecções transmitidas por carrapatos???

Na maioria dos casos, a causa da PANS é desconhecida, mas os gatilhos potenciais incluem infecções, distúrbios metabólicos e outras causas de reações inflamatórias.

E as infecções transmitidas por carrapatos, como a doença de Lyme, parecem provocar a tempestade inflamatória/imunológica perfeita que podem explicar esses sintomas. Cada vez mais crianças nos EUA estão sendo diagnosticadas com PANS e doença de Lyme e coinfecções.

A doença de Lyme pode ser a infecção que leva ao estado “hiper alerta” do sistema imunológico e pode resultar na inflamação neurológica.

Diagnóstico

O diagnóstico de PANS/PANDAS é primariamente clínico e se baseia nos sintomas do paciente.

Com suspeita de PANDAS, é importante medir os anticorpos de estreptococo, como anticorpo anti-DNase B e anti-estreptolisina O. Isso pode ser um problema, pois os anticorpos podem levar muito tempo para subir e descer e nem sempre são confiáveis ​​por si próprios para uma confirmação de PANDAS. Às vezes, podem ser realizados swabs para garganta, nariz e ânus para avaliar presença de estreptococos como o gatilho.

Também devem ser investigados uma série de marcadores, incluindo painel completo da tireoide, subclasses de IgG, triagem para doenças autoimunes, títulos de IgG e IgM viral, tipagem de linfócitos e sorologia viral e para doença de Lyme detalhadas.

Existe um teste especializado chamado Cunningham Panel, desenvolvido pela Dra. Madeleine Cunningham, uma pesquisadora reconhecida internacionalmente em distúrbios neuropsiquiátricos e outros distúrbios autoimunes induzidos por infecções. O Painel mede o nível de anticorpos circulantes direcionados contra antígenos concentrados no cérebro e mede a capacidade desses e de outros autoanticorpos de aumentar a atividade de uma enzima (CaMKII) que regula positivamente os neurotransmissores no cérebro. Existem discussões em andamento sobre a validade deste teste.

Tratamento

O tratamento se baseia em tratar sintomas e a gênese do problema, isso envolve geralmente vários passos com diferentes complexidades:

- Antibióticos a longo prazo: buscam erradicar a fonte infeciosa que desencadeia todo o quadro clínico.

- Medicamentos psiquiátricos: tem o objetivo de controlar os sintomas e facilitar a aderência ao tratamento.

- Imunoglobulinas: em casos mais graves, está indicado o uso de imunoglobulina endovenosa. Os mecanismos de ação da reposição venosa de imunoglobulinas ainda são mal compreendidos, mas parece haver um efeito anti-inflamatório e imunomodulador.

- Plasmaférese: através desse procedimento o sangue é “filtrado” e se separa as células do plasma. As células são devolvidas ao paciente, mas o plasma, não. Com o plasma são retirados os anticorpos nocivos que podem estar piorando a doença.

351 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page