Dor de cabeça e doença de Lyme


Dê uma olhada em quase todas as doenças na literatura médica, e há uma boa chance de você ver “dor de cabeça” listada como um possível sintoma, mas nem todas as dores de cabeça são resultado de uma doença subjacente. A maioria das pessoas que tem dores de cabeça ocasionais toma um analgésico comum e tudo melhora, mas nem sempre é tão simples para aqueles que lutam contra a doença crônica de Lyme.


As dores de cabeça induzidas por Lyme podem ser constantes e debilitantes, interrompendo as tarefas cotidianas que muitas vezes podem ser tidas como tranquilas – como passear com o cachorro, fazer café da manhã para as crianças ou ir trabalhar. Esses sintomas podem ser tão graves que sair da cama para tomar banho pode ser a maior conquista do dia, com a medicina moderna e seus tratamentos para dor de cabeça muitas vezes serem incapazes de fornecer alívio.


Aproximadamente 80% das crianças e 50% dos adultos têm dores de cabeça relacionadas a Lyme, com cerca de 17% experimentando pelo menos crises moderadas. Muitos continuam sofrendo com a dor por meses ou anos com pouco alívio. Além disso, adicionado ao estresse emocional de gerenciar a dor de cabeça crônica é o labirinto de tentar descobrir o que a desencadeou em primeiro lugar.


Então, por que a doença de Lyme causa dores de cabeça? E o que você pode fazer para encontrar um alívio duradouro? Se você está lutando há algum tempo com Lyme e as dores de cabeça que geralmente acompanham essa doença complexa, considere se os seguintes fatores podem estar contribuindo. Embora algumas pessoas possam tropeçar em uma solução rápida, isso provavelmente não é a norma para a maioria, então você pode ter que ser persistente em seus esforços de cura antes de perceber as mudanças.


5 causas e soluções para dor de cabeça de Lyme


Causa 1: Micróbios não tratados


Um equívoco comum sobre micróbios é que eles geralmente são ruins e devem ser mortos. No entanto, nossos corpos abrigam trilhões de microrganismos úteis, que superam nossas próprias células em cerca de 10 para 1 e representam até 3% do nosso peso corporal. Eles são essenciais para manter a homeostase e equilibrar o microbioma do nosso corpo.


Mas esse equilíbrio pode ser perturbado quando Borrelia burgdorferi, a bactéria que causa Lyme, e coinfecções, incluindo bartonella, babesia e micoplasma, entre outras, proliferam por todo o corpo. O resultado? Eles podem se entrincheirar em lugares como o cérebro, desencadeando uma tempestade de neuroinflamação causadora de dor de cabeça enquanto o corpo tenta o seu melhor para encurralar os patógenos furtivos.



Solução: Suprimir os micróbios com antibióticos

Ao combatermos a infecção crônica causada pela doença de Lyme e outras infecções transmitidas por carrapatos, diminuímos a quantidade de bactérias presentes no organismo, e com isso toda a ativação imunológica causada pela presença desses patógenos.


Essa ativação imunológica leva a excesso de inflamação e essas citocinas inflamatórias conseguem ultrapassar a barreira hematoencefálica e atingir o cérebro, causando a dor de cabeça.


Os antimicrobianos à base de plantas podem não ser tão potentes quanto os antibióticos tradicionais, mas podem ajudar a combater as bactérias a longo prazo. As ervas também podem aumentar a imunidade e controlar inflamação. As principais opções de ervas incluem:


Andrographis: Tem uma longa história de uso medicinal na Índia e contém propriedades antibacterianas, antivirais e antiparasitárias. Também possui qualidades de reforço imunológico, cardioprotetor e protetor do fígado.


Unha de gato: nativa da região amazônica, a unha de gato contém propriedades antimicrobianas e é uma erva fundamental na maioria dos protocolos herbais da doença de Lyme. Além disso, possui qualidades imunomoduladoras e anti-inflamatórias.


Knotweed japonês: É rica em resveratrol e tem sido usado há séculos na medicina tradicional asiática, e é um potente antioxidante com propriedades antimicrobianas e anti-inflamatórias. A erva também pode auxiliar no combate à bartonela.


Escutelária chinesa: Como uma erva multifuncional, ela tem propriedades antimicrobianas, diminui as citocinas e suporta a imunidade. Funciona bem com outros remédios de ervas para aumentar sua eficácia.


Salsaparrilha: A raiz da salsaparrilha tem sido usada nos trópicos para condições inflamatórias da pele, tecidos conjuntivos e intestino. Ele se liga e ajuda a eliminar as endotoxinas que são liberadas dos micróbios durante a morte das bactérias.



Causa 2: Reações de Herxheimer


As reações de Herxheimer (geralmente chamadas de herx ou herxing) podem ocorrer dentro de dias após o início ou o aumento das dosagens no seu protocolo para tratamento da doença de Lyme.


Quando esses seres microscópicos são atacados e mortos, pedaços de bactérias mortas chamadas endotoxinas podem criar uma resposta inflamatória autoimune. Se você perceber que suas dores de cabeça aumentam após a introdução de qualquer forma de agente antimicrobiano em seu sistema, pode ser um sinal de que você não está expelindo endotoxinas com rapidez suficiente.



Solução: Desintoxicar seu corpo

Manter seus órgãos de eliminação (cólon, pele, fígado, rins, linfa e pulmões) abertos e funcionando de maneira ideal é o cerne da minimização das reações herx, e há muitas maneiras de desintoxicar e expelir endotoxinas inflamatórias para melhorar a dor de cabeça:


Limpe seus canos

A obstipação é um sinal de digestão prejudicada, mantendo as toxinas presas em seu corpo e recirculando quando precisam sair. Manter uma dieta de alimentos integrais cheia de frutas e vegetais fibrosos suporta um microbioma intestinal saudável e aumenta sua capacidade de exportar toxinas. Se a dieta por si só não está fazendo o bastante, remédios naturais como lactulona ou suplementação com magnésio podem manter as coisas fluindo.


Suar para fora

Suar através do maior órgão de eliminação do seu corpo, a pele, é imperativo para ejetar toxinas. O exercício é uma ótima maneira de induzir o suor, mas não necessariamente quando você está com dor de cabeça devido a Lyme. Se você está se sentindo muito esgotado para o exercício, saunas, terapia de luz infravermelha ou almofadas de aquecimento podem aumentar a temperatura do corpo e desencadear uma sessão de suor para remoção de toxinas, respeitando sua necessidade de descanso.


Apoie seu fígado

Seu fígado trabalha duro para filtrar os resíduos tóxicos do sangue e decompor substâncias nocivas no corpo – apoie-o com N-acetilcisteína (NAC), um valioso antioxidante e precursor da glutationa que ajuda a reduzir as citocinas inflamatórias, proteger os tecidos nervosos e combater as toxinas que podem desencadear enxaquecas. Um estudo descobriu que o NAC ajuda a reduzir a frequência de dores de cabeça mensais quando combinado com vitaminas C e E como medida preventiva.


Gerencie seu fluido linfático

Assim como o sistema circulatório transporta sangue rico em nutrientes para nossas células para nutrição, o sistema linfático tem uma rede semelhante de vasos que transportam os resíduos dessas mesmas células, ajudando-nos a permanecer saudáveis ​​​​no combate às infecções. No entanto, há uma grande diferença: nossos corações bombeiam sangue automaticamente, enquanto nosso sistema linfático não tem essa bomba e requer a ação de seus músculos e sistema respiratório para mantê-lo em movimento. Gerencie seu fluido linfático fazendo exercícios, escovando a pele a seco e hidratando-se adequadamente para ajudar seu corpo a remover resíduos tóxicos.


Esteja atento à sua respiração

A respiração profunda mostrou uma série de efeitos desintoxicantes no corpo, reduzindo o estresse e a aumentando a circulação da linfa. Evidências também mostram que a respiração profunda pode alterar a percepção da dor, modulando o sistema nervoso simpático por meio do relaxamento. Uma técnica de respiração que pode ajudar a capacidade do seu corpo de descansar e digerir é a respiração regulada para baixo, que envolve diminuir a respiração para quatro respirações (ou menos) por minuto.


Como praticar a respiração regulada para baixo: Na posição sentada ou de repouso, inspire lentamente pelo nariz contando até oito, levantando a barriga e depois os pulmões. Segure um pouco no topo da respiração. Em seguida, expire pelo nariz enquanto esvazia a barriga e os pulmões contando até oito.


Pratique isso por algumas rodadas até sentir que está relaxando. Por causa da forte resposta parassimpática, essa respiração é melhor feita após uma refeição, antes de dormir ou sempre que você se sentir ansioso (nunca enquanto estiver dirigindo). Pode levar algum tempo para atingir oito contagens completas em cada inspiração e expiração, mas com a prática, você encontrará seu ritmo.



Causa 3: Sensibilidades Alimentares


As verdadeiras alergias e intolerâncias alimentares são difíceis de perder e podem até ser fatais em alguns casos. Mas para muitos pacientes com doença de Lyme, sensibilidades alimentares sutis se formam lentamente e passam despercebidas como resultado da síndrome do intestino permeável – uma condição inflamatória causada pela permeabilidade intestinal, geralmente devido a desequilíbrios intestinais de longa duração por infecções, má alimentação e estresse . De fato, muitas pessoas podem identificar alimentos específicos que causam dores de cabeça e enxaquecas, mas o que pode ser feito a respeito?


Solução: Trabalhe na saúde intestinal

Embora a eliminação dos alimentos ofensivos deva estar no topo da lista de tarefas para minimizar as dores de cabeça, curar seu intestino também é uma prioridade para que você não precise evitar esses alimentos para sempre. Ervas emolientes, como o olmo, podem reconstruir a mucosa do revestimento intestinal, enquanto as enzimas digestivas ajudam a quebrar os alimentos que você come. O abundante aminoácido L-glutamina mostra ampla capacidade de aumentar as proteínas de junção necessárias para uma parede intestinal forte. Além disso, ervas amargas como dente-de-leão e bardana também aliviam o fígado para ajudar na digestão.


Causa 4: Medicamentos


Dores de cabeça são um efeito colateral de alguns medicamentos. Aqueles com doença de Lyme crônica muitas vezes fazem uso de várias medicações e suplementos, e podem ter de cabeça por essas substancias.


Solução: procure alívio natural da dor

Magnésio

Pesquisas sugerem que diferentes formas de magnésio, o mineral crucial responsável por mais de 300 reações bioquímicas no corpo, tem potencial promissor para o alívio da enxaqueca, com sulfato de magnésio intravenoso (IV) oferecendo os resultados mais impressionantes. Mas se o magnésio IV não for realista toda vez que você tiver uma dor de cabeça relacionada a Lyme, suplementá-lo pode ser benéfico para você. No entanto, nem toda forma de magnésio é igual. Por exemplo, o óxido de magnésio não é prontamente absorvido pelo corpo e pode causar fezes moles e dores de estômago. Em vez disso, opte por formas biodisponíveis como glicinato de magnésio ou magnésio lipossomal, a forma do mineral mais capaz de atravessar a barreira hematoencefálica.


Biofeedback

O biofeedback é uma maneira não invasiva de obter maior consciência e controle sobre certas funções do corpo, e também provou ser uma ferramenta útil para reduzir enxaquecas. De fato, um estudo publicado em Behavioral and Brain Functions descobriu que a frequência da enxaqueca e a gravidade dos sintomas foram reduzidas pela metade em até 70% nos participantes do estudo.


Os resultados sustentados médios duraram cerca de 14,5 meses após a interrupção das terapias – e uma das três terapias de biofeedback usadas no estudo, a hemoencefalografia (HEG), foi considerada uma ferramenta de gerenciamento de enxaqueca superior em comparação com outras opções de biofeedback.


Curcumina

Este composto anti-inflamatório primário encontrado no açafrão foi atribuído a fornecer um potente alívio da dor, de acordo com um estudo no International Journal of Preventive Medicine. A curcumina provou seu poder de reduzir a gravidade, frequência e duração dos sintomas de dor de cabeça e enxaqueca, visando as mesmas vias NF-kB e COX que a aspirina e o ibuprofeno, regulando assim a dor e a inflamação conhecidas por causar dores de cabeça.


Causa 5: Estresse Crônico


É uma aposta segura que, se cavarmos até a raiz de todas as doenças, alguma forma de estresse físico, mental ou emocional poderá ser encontrada. De fato, de acordo com um estudo publicado no The Journal of Headache and Pain, o estresse percebido é o gatilho mais comum de dores de cabeça crônicas. Existem maneiras comprovadas de modular a resposta ao estresse do nosso corpo, mas encontrar os métodos que funcionam melhor para você é o que mais importa – pois deve ser algo que você possa manter por tempo suficiente para experimentar os benefícios.


Solução: Acalme seu sistema nervoso

Aprender a se acalmar em situações estressantes pode ajudar bastante a reduzir as dores de cabeça. No entanto, se você sentir que já tentou de tudo para se livrar delas, volte ao básico com uma prática mente-corpo para reduzir o estresse, onde você pode estar no controle. Mas não deixe que isso seja mais uma coisa na sua lista de tarefas que também o estressa. Mantenha-o simples, escolhendo uma prática sobre a qual tenha curiosidade, comece devagar e seja consistente. Algumas opções mente-corpo a serem consideradas incluem:


Ioga

Qigong

Meditação

Tonificação do nervo vago

Acupuntura e acupressão

Óleos essenciais

Afirmações positivas


Gerenciar essas cinco causas pode ajudar bastante a evitar futuras dores de cabeça e enxaquecas causadas por Lyme (e pela vida). E embora possa parecer difícil acompanhar tudo isso, investir tempo e esforço em apenas algumas dessas soluções acabará valendo a pena. Continue assim, mesmo que o alívio não seja sentido da noite para o dia. Pode e muitas vezes melhora.


Fonte: Dr Rawls

28 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo