Doença de Lyme e colágeno


O colágeno é muito mais importante do que o anti-envelhecimento da pele pelo que é conhecido: ele desempenha um papel no suporte do corpo da cabeça aos pés, órgãos e tudo mais. E se você tem uma doença crônica como a doença de Lyme, há uma boa chance de que você esteja perdendo seu colágeno em um ritmo acelerado. Enteda o motivo e maneiras inteligentes de reconstruir o colágeno que você perdeu e proteger o que possui.


O que é colágeno?

Antes de se preocupar em salvar seu colágeno, ajuda a entender exatamente o que é e por que vale a pena seu esforço.


Para começar, é a proteína mais abundante em seu corpo. É o que literalmente o mantém junto. Três fios de proteína se entrelaçam para formar uma fibra de colágeno. E as fibras de colágeno se unem para formar os tendões e ligamentos que fornecem suporte para todo o seu esqueleto.

A cartilagem nas articulações é feita de colágeno. O colágeno também está presente nos músculos e ossos para suporte adicional. Sem colágeno, seríamos uma pilha de ossos no chão. O colágeno também fornece suporte para a pele, ligamentos, vasos sanguíneos, músculo cardíaco e válvulas, gengivas, olhos, intestinos e realmente qualquer coisa no corpo que precise de suporte.


Em outras palavras, o colágeno é muito importante. Mas não apenas para você: muitos micróbios que habitam seu corpo também o usam como uma fonte de nutrientes. E é aí que as coisas podem ficar complicadas.


Por que os micróbios estão atrás do seu colágeno

Esteja você lutando ou não com uma doença crônica relacionada a um micróbio como Lyme, saiba que você já está competindo com micróbios em seu microbioma por seu colágeno. Todos nós temos um microbioma, uma vasta comunidade ecológica de micróbios que existe em nossos corpos.


Alguns desses micróbios têm a capacidade de degradar o colágeno, produzindo enzimas para quebrar a proteína. Muitos deles são patógenos potenciais que podem existir na boca, intestino e pele de uma pessoa. Micróbios que são normalmente associados a doenças crônicas, incluindo borrelia (o principal suspeito em Lyme), micoplasma e clamídia, entre muitos outros, também têm a capacidade de quebrar o colágeno.


Em um artigo científico publicado na Infection and Immunity em 1996, os pesquisadores especularam por que os micróbios podem precisar quebrar o colágeno e propuseram as seguintes razões:


Para liberar aminoácidos para seu crescimento


Para quebrar as barreiras naturais do tecido para permitir que se espalhem em tecidos mais profundos


Para criar um ambiente protetor em tecidos mais profundos para o crescimento de micróbios anaeróbios (bactérias que não usam oxigênio - exemplos incluem borrelia e micoplasma)


Em pessoas saudáveis, a degradação do colágeno por micróbios provavelmente está ocorrendo em um nível muito baixo. Seus sistemas imunológicos são capazes de manter os micróbios sob controle de modo que danos significativos não se acumulem, e eles são capazes de reconstruir constantemente o novo colágeno.


A perda líquida de colágeno devido aos micróbios não ocorre, a menos que as funções do sistema imunológico sejam comprometidas e os micróbios possam florescer, caso em que as coisas podem sair do controle rapidamente. A doença de Lyme crônica é possivelmente o melhor exemplo disso.


A ligação entre doença crônica e perda de colágeno

Borrelia é possivelmente o micróbio mais conhecido com a capacidade de quebrar o colágeno. Não surpreendentemente, muitos dos sintomas da doença de Lyme crônica ocorrem em locais de colágeno de alta densidade: articulações, ligamentos, pele, olhos, gengivas, coração e tecido cerebral. A inflamação e a degradação do colágeno por micróbios são provavelmente as forças motrizes por trás dos sintomas nesses locais.


Mas borrelia não é o único micróbio que causa problemas; uma longa lista de possíveis coinfecções também está normalmente presente. Dos micróbios que degradam o colágeno na lista, as espécies de micoplasma são as mais bem estudadas.


Embora o micoplasma comumente ocorra como uma coinfecção de Lyme, também foi associado a uma variedade de outras doenças crônicas, incluindo artrite reumatóide e esclerose múltipla. E tem sido associado a válvulas cardíacas danificadas e articulações artríticas (junto com outros micróbios, incluindo clamídia e borrelia), ambos associados à perda de colágeno.


O interesse pelo micoplasma como possível causa de artrite reumatoide (AR) data da década de 1970. Em uma enxurrada de pesquisas na época, descobriu-se que o micoplasma estava presente em uma alta porcentagem de portadores de AR. No entanto, o interesse na conexão pareceu morrer quando a terapia com antibióticos pareceu eficaz nesses pacientes. Sabe-se agora que o micoplasma é extremamente resistente à terapia antibiótica.

Mais recentemente, o interesse na ligação micoplasma-artrite parece estar reacendendo. Em 2000, um grupo de pesquisadores publicou suas descobertas no Journal of Clinical Microbiology após examinar amostras de líquido sinovial dos joelhos de 44 pacientes com artrite. Eles foram capazes de detectar Mycoplasma fermentans em 88% dos casos de artrite reumatóide e outras formas de artrite, incluindo espondilite anquilosante, artrite crônica juvenil, gota e artrite psoriática (artrite associada à psoríase).


Posteriormente, em um estudo de 2006, o mesmo pesquisador principal descobriu Mycoplasma pneumoniae, uma causa comum de bronquite infantil e pneumonia crônica de baixo grau, em 79% dos pacientes com artrite reumatoide inscritos no estudo, 80% dos pacientes com osteoartrite e 100% daqueles com outros tipos de artrite crônica.


O micoplasma é um micróbio notavelmente comum nas populações humanas, com 40-60% das pessoas saudáveis ​​testando positivo para algumas espécies. Embora diferentes espécies de micoplasma sejam comumente disseminadas por infecções respiratórias e genitais, uma vez que os micróbios estão no corpo, eles podem aparecer em qualquer lugar. Locais ricos em colágeno são residências finais comuns do micróbio.


Quando você adiciona o micoplasma à lista de possíveis micróbios que degradam o colágeno e considera que os sintomas de muitas doenças crônicas compartilham os sintomas localizados no colágeno, é altamente provável que os micróbios sejam a força motriz por trás de muitos tipos de sofrimento crônico.


O resultado final é que todos abrigam micróbios com potencial para quebrar o colágeno - eles estão apenas esperando por uma oportunidade. Alguns micróbios são mais ameaçadores do que outros. Se você vai acabar ficando doente ou sofrendo de sintomas associados à degradação do colágeno, depende de três fatores:


Genética: algumas pessoas são inerentemente mais suscetíveis a doenças hematológicas do que outras.


Micróbios: o tipo de micróbios que você pega durante a vida e abriga nos tecidos pode aumentar o risco.


Função do sistema imunológico: como os fatores que se unem durante a sua vida para perturbar o sistema imunológico afetam a força de suas defesas contra micróbios que degradam o colágeno.


Embora você não possa mudar seu DNA, há muito que você pode fazer para manter os micróbios furtivos sob contenção e seu sistema imunológico funcionando de forma eficiente para que você possa evitar a perda de colágeno e reconstruir níveis saudáveis.


Como Proteger Seu Colágeno

Esteja você lutando com uma doença crônica associada a sintomas de perda de colágeno ou tendo artrite leve relacionada ao envelhecimento e alterações na pele, você deseja proteger o colágeno em seu corpo. Existem quatro categorias específicas de ações que você pode realizar.


1 - Suprimir Micróbios Degradantes de Colágeno


Embora o micoplasma e a borrelia tenham sido os principais exemplos acima, há muitos micróbios conhecidos por quebrar o colágeno - o que significa que você não pode ter como alvo apenas um. Além do mais, a maioria desses micróbios se encaixa na categoria de micróbios furtivos, que vivem dentro das células (intracelulares), crescem muito lentamente e são amplamente distribuídos em baixas concentrações pelos tecidos do corpo. Mais notavelmente, todos eles são notoriamente resistentes à terapia antibiótica convencional.


Uma abordagem melhor é realizar ciclos de antibióticos que sejam efetivos contra cada tipo de bactérias que causam infecções sub-clinicas.


Ervas com suporte antimicrobiano também podem ser uteis, e quando várias ervas antimicrobianas são combinadas, os benefícios são sinérgicos. Elas também apoiam as funções imunológicas ideais e fornecem antioxidantes protetores. Algumas das melhores ervas antimicrobianas incluem andrographis, unha de gato, knotweed japonês, salsaparrilha, alho e berberina.


2 – Suporte ao sistema imunológico


Uma das tarefas mais importantes do seu sistema imunológico é gerenciar o amplo espectro de micróbios que habitam seu corpo. Um sistema imunológico saudável é essencial para ficar bem e proteger o colágeno. No entanto, o mundo moderno está saturado de fatores que perturbam as funções do sistema imunológico - especialmente nossa dieta altamente processada, exposição a altas concentrações de toxinas ambientais artificiais, estresse crônico e tendência a levar uma vida sedentária.


A solução mais óbvia é tomar medidas para combater os desreguladores do sistema da vida moderna que danificam seu sistema imunológico todos os dias. Isso significa fazer coisas como comer uma dieta saudável, cheia de alimentos frescos e integrais; filtrando sua água; optar por alimentos orgânicos e produtos de limpeza naturais não tóxicos, sempre que possível; e reservar um tempo todos os dias para você mesmo encontrar um pouco de alívio do estresse e movimentar o corpo.


A terapia à base de ervas também é uma escolha excelente para apoiar as funções ideais do sistema imunológico. As ervas antimicrobianas fazem parte disso, mas os adaptógenos fitoterápicos fazem ainda mais. Os adaptógenos não apenas ajudam a reduzir a inflamação prejudicial, mas também aumentam a capacidade do sistema imunológico de realizar seu trabalho, equilibrando os hormônios e aumentando sua resistência ao estresse. Adaptógenos de ervas comuns com propriedades de equilíbrio imunológico incluem reishi, cordyceps, ashwagandha, rhodiola e eleuthero.


3 - Apoiar a renovação do colágeno


O colágeno em seu corpo está constantemente sendo degradado e reconstruído. Uma dieta saudável é a chave para fornecer novas matérias-primas para a construção de novo colágeno. No topo dessa lista estão couve e outros vegetais com folhas verdes, pepinos, salmão, sardinha, ovos, aipo e azeitonas.


Caldos a basse de óssos é a última moda em saúde para apoiar o colágeno. Isso porque o caldo de osso fornece todos os ingredientes necessários para reconstruir a cartilagem, que é composta de colágeno.


Comer gelatina é uma maneira fácil de adicionar um suprimento extra de colágeno à sua dieta. Você também pode obter colágeno na forma de suplemento; a dose recomendada é de cerca de 6.000 mg por dia de colágeno em pó misturado em um smoothie ou batido.


Outro suplemento a ser considerado é o silício, que é um componente necessário da geração de colágeno, além de ser importante para reparar as bainhas dos nervos de mielina. O silício natural pode ser obtido da erva cavalinha ou como ácido ortossilícico estabilizado, um líquido que é dosado em cerca de 20 gotas por dia (isso também pode ser adicionado a smoothies).


De todos os suplementos para apoiar o colágeno e a função articular, a glucosamina tem a maior evidência científica para sustentá-la. A glucosamina é um precursor dos proteoglicanos, os produtos químicos necessários para o revestimento liso das juntas. Também estimula a síntese de colágeno. Com a idade, a síntese normal de glucosamina diminui, o que pode ser um fator que contribui para a artrite. A dose sugerida de glucosamina é de 500-750 mg, duas vezes ao dia.


4 - Minimize outros disruptores de colágeno


Os micróbios não são as únicas forças que degradam o colágeno no corpo. Há uma variedade de fatores adicionais que continuamente o desgastam. Confira mais cinco infratores principais abaixo, além de conselhos simples para contorná-los.


Açúcar e amido. Glicose e frutose - açúcares de produtos alimentícios processados, açúcar de mesa, xarope de milho com alto teor de frutose e açúcar concentrado de frutas - são notórios trituradores de colágeno. Açúcar e amido (outro tipo de carboidrato) se ligam ao colágeno em um processo chamado glicação e o direcionam para a destruição. Além disso, os alimentos processados ​​em que são encontrados geram inflamação no corpo. Tente minimizar a quantidade de açúcares adicionados que você consome e, sempre que possível, use alimentos inteiros e frescos em vez de alimentos embalados com ingredientes processados.


Dormir mal. Seu corpo repara o colágeno danificado enquanto você dorme, então você precisa de pelo menos 8 horas de sono de qualidade todas as noites para ter uma saúde ideal. O segredo de uma boa noite de sono é encontrar momentos de calma ao longo do dia e permitir bastante tempo para um sono adequado à noite - o que pode significar adicionar uma hora extra para permitir o tempo que você leva para adormecer.


Toxinas. Toxinas de qualquer variedade danificam o colágeno, mas fumar satura o corpo com elas. Se você fuma, é hora de parar. E procure outras maneiras de evitar que as toxinas entrem em seu corpo por ingestão, inalando ou absorvendo-as pela pele.


Estresse físico. A atividade física extrema causa desgaste excessivo das articulações e ligamentos. Procure exercícios de baixo impacto que sejam mais fáceis para o seu corpo. Por exemplo, o alongamento suave da ioga ajuda a manter ligamentos saudáveis, boa postura e suporte esquelético, e também reduz o risco de osteoporose.


Luz solar. UV, infravermelho e luz visível do sol são potentes destruidores de colágeno na pele. O protetor solar protege contra os raios ultravioleta, mas não contra a luz infravermelha e visível. Você também ganha proteção significativa contra tipos específicos de antioxidantes que se acumulam nas camadas da pele.


Fonte: Dr Bill Raws

179 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo