Doença de Lyme e o nervo vago


Existem 12 pares de nervos cranianos no corpo. Cada um se origina do cérebro e tem um conjunto específico de tarefas a executar que afetam as funções sensoriais e motoras. Cada nervo tem um numeral romano de I a XII atribuído a ele. O nervo vago, por exemplo, é o décimo nervo craniano e corresponde ao numeral romano X.

Vagus é uma palavra latina que significa “errante” e, de fato, esse intrincado nervo craniano faz jus ao seu nome porque vagueia por quase todo o corpo. Ele atua como uma superestrada de informações do cérebro, através do pescoço e tórax, e termina no abdômen.

Enquanto alguns nervos influenciam apenas os sentidos ou apenas o movimento, o nervo vago é o único que causa impacto em ambos. As funções principais do nervo vago incluem:

Fornece informações sensoriais para a garganta, pulmões, coração e trato digestivo

Ter um papel menor na sensação de gosto na boca posterior

Fornecimento de informações de movimento aos músculos do pescoço para fala e deglutição

Regulando as funções mecânicas do trato respiratório, frequência cardíaca e trato gastrointestinal

Modulando a resposta do sistema imunológico

Influenciando o humor

Além disso, o nervo vago é um componente crucial do sistema nervoso parassimpático, o lado relaxante do sistema nervoso autônomo – a porção do sistema nervoso que não depende da nossa vontade consciente para agir, que ajuda a devolver ao corpo um estado de calma após um período ou evento estressante. No entanto, os desafios de viver a vida com a doença de Lyme ou as coinfecções de Lyme, como Babesia e Bartonella, podem alterar a forma de comunicação do nervo vago com o cérebro, ativando o sistema nervoso simpático – responsável por preparar o corpo para uma situação de stress.

A hiperatividade simpática libera substâncias químicas estimulantes, como norepinefrina e dopamina, que podem fazer com que você se sinta tonto, cansado e ansioso. A resposta de fuga ou luta é crítica quando nossas circunstâncias exigem um alto estado de alerta. Mas períodos prolongados de estresse podem prejudicar o sono, a recuperação, e o reparo dos tecidos.

Então, como podemos apoiar melhor a função de nosso sistema nervoso parassimpático e nervo vago? A resposta está no processo biológico realizado pelo nervo vago denominado tônus ​​vagal.

Tônus vagal e 4 maneiras de reforçá-lo

Ao aumentar o tônus ​​vagal, seu corpo está mais bem equipado para acessar os mecanismos calmantes e reparadores do sistema nervoso parassimpático quando ocorre o estresse.

O nervo vago está envolvido em muitos processos corporais diferentes, por isso é essencial entender como sair do modo de lutar ou fugir crônico. Vamos dar uma olhada em algumas opções.

1. Tome uma dose diária de resfriamento.

Quando você pensa em experimentar temperaturas frias, a estimulação do nervo vago provavelmente não vem à tona em sua mente (camadas pesadas, casacos e cobertores grossos são mais parecidos). No entanto, pesquisas indicam que a exposição ao frio pode realmente melhorar o tônus ​​vagal.

Após a introdução inicial ao clima frio, os participantes do estudo demonstraram um aumento na atividade do sistema nervoso simpático, conforme medido por sua função cardiovascular. No entanto, uma vez que os participantes se acostumaram com a temperatura, sua atividade parassimpática aumentou, sugerindo que a adaptação ao frio pode equilibrar a resposta do nervo vago.

Para obter sua dose diária de resfriamento e estimular o nervo vago, considere alternar intervalos de 60 segundos de água quente, seguidos diretamente por água fria durante o banho. Em seguida, repita o processo duas ou três vezes. Se você precisar se acalmar, experimente jogar um pouco de água fria da pia em seu rosto. A rápida onda de frio pode ser apenas o suficiente para produzir o resultado calmante desejado.

2. Melhore a saúde do seu microbioma.

O microbioma é a soma de todos os micróbios que habitam o corpo, incluindo a flora normal que normalmente não causa danos, bem como patógenos potencialmente causadores de doenças. O microbioma é vasto e mais complexo do que qualquer pessoa poderia imaginar. Embora a ciência desse micro-ecossistema expansivo continue avançando, pesquisas sugerem um mar de possibilidades de como o intestino e o cérebro interagem um com o outro.

O principal meio de comunicação é o nervo vago, que dá e recebe informações de seu intestino, por meio de uma via bidirecional, chamada de eixo intestino-cérebro. Além disso, o nervo vago facilita a produção de substâncias químicas relaxantes como serotonina e GABA no cérebro, retarda a respiração, reduz a frequência cardíaca e a pressão arterial, diminui a inflamação e promove a restauração dos tecidos.

As bactérias intestinais podem impactar o nervo vago porque os micróbios estimulam impulsos nervosos que enviam sinais ao cérebro, afetando funções como sono, reatividade ao estresse, cognição e muito mais. Quando a flora intestinal é saudável, há uma relação mais harmoniosa entre os tipos de sinais enviados ao longo do longo nervo craniano. No entanto, os sintomas persistentes da doença de Lyme podem alimentar o estresse crônico, alterando a carga microbiana normal do seu corpo e, junto com ela, os sinais que eles enviam.

Além disso, micróbios furtivos que estão profundamente embutidos nos tecidos geram inflamação de baixo grau em todo o corpo e no cérebro. A mudança no terreno do corpo pode desencadear uma superprodução de substâncias químicas excitatórias, como adrenalina, norefineferina e dopamina.

Mas há esperança de fortalecer o microbioma e melhorar a comunicação através do nervo vago. Uma alimentação saudável e o uso de probióticos podem ser de grande ajuda.

3. Pratique exercícios de respiração calmantes.

Como o nervo vago ajuda a regular a respiração e a frequência cardíaca, uma maneira de melhorar o tônus ​​vagal é praticar exercícios respiratórios. Pesquisas mostraram que praticar respirações lentas diminui a atividade do sistema nervoso simpático e aumenta as funções parassimpáticas. Em contraste, a respiração rápida - algo que tendemos a fazer quando estamos no limite - não oferece os mesmos benefícios.

4. Cante uma melodia.

Você sabia que cantarolar para si mesmo pode ser um hábito saudável? Isso ocorre porque o nervo vago atravessa sua garganta e fornece entrada sensorial para o ouvido. O ato de cantarolar oferece uma maneira mecânica de estimular o nervo vago e diminuir a frequência cardíaca e a respiração, que pode ser a razão pela qual muitas pessoas consideram o cantarolar um calmante.

Outras atividades vocais, como repetir um mantra ou cantar, podem melhorar o tônus vagal e promover um estado de bem-estar mais tranquilo. Então, vá em frente - escolha sua música favorita e comece a cantarolar, ou apenas improvise!

Fonte: Dr Rawls

146 visualizações

Locais de

Atendimento

Redes

Sociais

  • Facebook
  • Preto Ícone LinkedIn
  • Instagram
  • Preto Ícone YouTube

Unidade Morumbi

 

Morumbi Medical Center

Rua José Jannarelli, 199 Conj 22

São Paulo - SP

Tel: 11 3721-3004

Unidade HIAE

 

Hospital Israelita Albert

Einstein

Av. Albert Einstein, 627  Cons 213 - Bloco A1

São Paulo - SP

Tel: 11 2151-3223

© 2019 by CELJr. Proudly created with Wix.com