Erliquiose


De acordo com os especialistas, os carrapatos e as doenças que eles transmitem estão se expandindo para novas áreas geográficas. Embora a maioria das pessoas já tenha ouvido falar da doença de Lyme, menos de 2% têm conhecimento de outra doença transmitida por carrapatos chamada erliquiose.


Em maio de 2017, um artigo do Emerging Infectious Diseases Journal do CDC avisa que as infecções por erliquiose estão sendo "grosseiramente subnotificadas" nos EUA, com até 97-99% das infecções não sendo reconhecidas. Eles estão projetando que o número real de casos anuais pode chegar a 50% do número de casos da doença de Lyme - o que significaria que já é possível existir mais de novos 150.000 casos de erliquiose anualmente só nos EUA.


Existem vários fatores que causam a subnotificação:


Falta de conhecimento público - os médicos não estão testando ou diagnosticando erliquiose.


Alguns casos são leves o suficiente para que os pacientes não procurem atendimento médico ou um diagnóstico.


Métodos de teste insensíveis ou imprecisos podem resultar em diagnósticos falso-negativos.


Erliquiose é o nome de várias doenças transmitidas por carrapatos, causadas por um grupo de bactérias conhecido como Ehrlichia. Ehrlichia pertence a uma ordem maior de bactérias conhecidas como Rickettsiales. Essas infecções podem ser transmitidas isoladamente ou ao mesmo tempo que a doença de Lyme e são comumente conhecidas como coinfecções.


O grupo Ehrlichia inclui:


chaffeensis: a causa da erliquiose monocítica humana (HME),

ewingii, e

muris (EML).


Ehrlichia são bactérias pequenas, gram-negativas, de formato redondo ou elipsoidal. Eles invadem preferencialmente glóbulos brancos, como monócitos e macrófagos e, em alguns casos, neutrófilos. Em todos esses tipos de células, eles ocupam vacúolos citoplasmáticos, geralmente em microcolônias bacterianas conhecidas como mórulas. Ehrlichia tem um ciclo natural entre carrapatos e mamíferos e pode causar doenças em muitas espécies de mamíferos.


Sintomas


Embora alguns casos de erliquiose sejam leves, a doença pode ser grave ou fatal se não tratada corretamente, mesmo em pessoas previamente saudáveis. A doença na fase aguda costuma aparecer duas semanas após a picada.


Os sintomas graves de erliquiose podem incluir dificuldade para respirar, insuficiência respiratória, distúrbios hemorrágicos e insuficiência renal ou cardíaca.


Como a Ehrlichia infecta glóbulos brancos (células que combatem a infecção) e mitocôndrias (a força motriz da célula humana), as consequências da infecção não tratada podem ter efeitos duradouros. Uma hipótese sendo aventada é que a erliquiose não diagnosticada talvez seja a responsável por alguma parte dos milhões de pessoas com a doença misteriosa conhecida como encefalomielite miálgica ou "síndrome da fadiga crônica".


Outros sintomas de erliquiose podem incluir:


Febre / calafrios e dor de cabeça (maioria dos casos),

Fadiga / mal-estar (mais de dois terços dos casos),

Dores musculares / articulares (25% -50%),

Náusea, vômito e / ou diarreia (25% - 50%),

Tosse (25% –50%),

Confusão ou névoa cerebral (50% das crianças; menos comum em adultos),

Aumento dos gânglios linfáticos (47% -56% das crianças; menos comum em adultos),

Olhos vermelhos (ocasionalmente) e

Erupção cutânea (aproximadamente 60% das crianças e 30% dos adultos).


Diagnóstico e Tratamento


Como outras doenças transmitidas por carrapatos, os exames de sangue para diagnóstico frequentemente serão falso-negativos durante as primeiras semanas da doença. E, como outras doenças transmitidas por carrapatos, o tratamento é mais eficaz se iniciado cedo. Por esse motivo, os profissionais de saúde devem usar seu melhor julgamento clínico e tratar os pacientes apenas com base nos primeiros sintomas. Pode ser pedido pelo médico PCR para erliquiose, que procura no sangue do paciente material genético da bactéria, que pode ou não aparecer no momento da infecção inicial.


O diagnóstico de erliquiose deve ser feito com base nos sinais e sintomas clínicos, podendo ser posteriormente confirmado por meio de exames laboratoriais confirmatórios especializados. No exame de sangue podem aparecer diminuição de glóbulos brancos e plaquetas e elevação de enzimas hepáticas. O tratamento nunca deve ser atrasado enquanto se aguarda o recebimento dos resultados dos testes laboratoriais, ou ser retido com base em um resultado laboratorial negativo inicial.


A doxiciclina é o tratamento de primeira linha para adultos e crianças de todas as idades e deve ser iniciada imediatamente sempre que houver suspeita de erliquiose.


Os pacientes tratados precocemente podem se recuperar rapidamente com medicação ambulatorial, enquanto aqueles que apresentam uma doença mais grave podem necessitar de antibióticos intravenosos, hospitalização prolongada ou tratamento intensivo.


Transmissão


Os carrapatos estrela do genero Amblyomma é o principal vetor de E. chaffeensis (HME) e E. ewingii, com taxas de infecção variando de 0 a 27 por cento.


Outros modos de transmissão


Ehrlichia chaffeensis demonstrou sobreviver por mais de uma semana em sangue refrigerado. Portanto, essas bactérias podem apresentar risco de transmissão por meio de transfusão de sangue e doação de órgãos. Também foi sugerido que a erliquiose pode ser transmitida de mãe para filho e por meio do contato direto com animais contaminados abatidos.

125 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo