Micoplasma e doença de Lyme



Micoplasma é o mais furtivo de todos os micróbios furtivos. Pode ser um fator importante em muitas doenças crônicas associadas ao envelhecimento, mas, surpreendentemente, a maioria das pessoas - incluindo a maioria dos médicos - tem consciência limitada a respeito.


Micoplasma: O manipulador


Micoplasma é um parasita, o que significa que não pode viver sem um hospedeiro. E é a menor de todas as bactérias: 4.000 delas podem caber dentro de um único glóbulo vermelho em seu corpo. Em comparação, apenas 10-15 bactérias de tamanho médio caberiam na mesma célula.


Ao contrário a maioria das outras bactérias, os micoplasmas não têm uma parede celular protetora, criando uma estratégia de sobrevivência interessante: eles podem mudar de forma e se encaixar em áreas onde outras bactérias não podem ir. Por exemplo, também permite que eles deslizem para dentro das células do hospedeiro. A falta de uma parede celular torna o micoplasma resistente a algumas classes comumente prescritas de antibióticos, como as penicilinas, que normalmente funcionam interrompendo a parede celular de uma bactéria de modo que, quando a bactéria se divide, ela se desintegra.


Mais de 200 tipos conhecidos de micoplasma (e provavelmente muitos ainda a serem descobertos) podem infectar animais e plantas. Existem pelo menos 23 variedades diferentes de micoplasma que podem infectar humanos. Alguns deles são considerados flora normal inofensiva, mas a maioria tem o potencial de causar doenças.


O micoplasma é transmitido por insetos que picam (carrapatos, mosquitos, pulgas, moscas hematófagas), contato sexual, alimentos contaminados e gotículas transportadas pelo ar. Quase todas as pessoas foram expostas a alguma forma de micoplasma.


Mesmo com seu tamanho minúsculo, qualidades de mudança de forma e natureza proliferante, o micoplasma é um mestre em manipular e manobrar o sistema imunológico do hospedeiro. Metade de sua composição genética é dedicada exclusivamente a esse propósito.


Embora tenha pouca capacidade de causar danos diretos, ele pode usar a função imunológica do hospedeiro a seu favor: Micoplasma gera inflamação crônica de baixo grau e rouba nutrientes vitais do corpo.


Na verdade, tudo de que esse micróbio furtivo precisa para sobreviver - vitaminas, minerais, gorduras, carboidratos e aminoácidos - deve ser conseguido através do hospedeiro; ele não faz nada sozinho. As mitocôndrias, que são as fontes de energia das células, são os principais alvos para sustentar o microorganismo, o que ajuda a explicar por que a fadiga é sempre um fator nas infecções por micoplasma.


O micoplasma favorece a infecção de células de tecidos que revestem diferentes áreas do corpo. Os locais comuns de infecção incluem:


Passagens nasais

Seios da face

Pulmões

Revestimento do trato intestinal

Trato genital

Ventrículos dentro do cérebro

Revestimento sinovial das articulações


Eles também comumente infectam glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e tecido cerebral. Diferentes micoplasmas têm preferência por certos tecidos, mas todas as espécies de micoplasmas possuem a capacidade de infectar qualquer tipo de tecido e todos os sistemas orgânicos.


O micoplasma mais comum, Mycoplasma pneumoniae, tem preferência pelo tecido pulmonar. A infecção inicial por M. pneumoniae geralmente causa faringite (dor de garganta), tosse, febre, dor de cabeça, mal-estar, coriza - todos os sintomas comuns de uma infecção respiratória superior comum.


Se o sistema imunológico da pessoa não estiver totalmente fortalecido, a infecção pode progredir para bronquite e até pneumonia (cerca de 20% das pneumonias). O tipo de pneumonia causado por micoplasma, geralmente chamado de “pneumonia ambulatorial”, raramente é grave o suficiente para resultar em hospitalização, embora possa se arrastar por semanas ou até meses.


Mas mesmo quando esses sintomas respiratórios forem eliminados, pode não ser o fim da história. Isso porque, depois que o micoplasma entra no corpo, ele também infecta os glóbulos brancos. E, uma vez dentro de um glóbulo branco, pode ser transportado para todas as partes do corpo, infectando tecidos e órgãos.


O potencial de infecção generalizada é muito influenciado pelo estado da função imunológica do hospedeiro. Se a função imunológica estiver ótima, o micróbio é contido após a infecção inicial e nenhum dano a longo prazo ocorre. Aproximadamente 30-70% das pessoas carregam pelo menos uma espécie de micoplasma sem apresentar sintomas. Essencialmente, torna-se como a flora normal do microbioma, que são os micróbios não ameaçadores encontrados na pele, no intestino e nas cavidades do corpo.


Mas a maioria das espécies de micoplasmas não são da flora normal e estão apenas esperando por uma oportunidade de ganhar um ponto de invasão. Se a função imunológica falhar por qualquer motivo, a infecção crônica e sistêmica torna-se possível. O micoplasma começa a roubar nutrientes vitais e causar uma ampla gama de sintomas que não estão relacionados à infecção inicial. A decomposição geral dos tecidos por micróbios furtivos como o micoplasma acelera o processo de envelhecimento e é provavelmente um fator primário em muitas, senão na maioria, das doenças crônico-degenerativas.


Características furtivas do Micoplasma


Micróbios furtivos trabalham melhor juntos do que quando estão sozinhos. Em outras palavras, o micoplasma pode não ser um problema, a menos que outro micróbio furtivo (ou micróbios) esteja presente. A doença de Lyme pode ser um bom exemplo desse fenômeno.


Micoplasma é uma coinfecção de Lyme comum: está presente em 75% ou mais dos casos de doença de Lyme nos EUA. O micoplasma é conhecido por ser transportado e disseminado por carrapatos, mas também é possível que já esteja presente no corpo quando ocorre uma picada de um carrapato portador de borrelia - a bactéria primária associada a Lyme.


A disfunção imunológica causada pela nova infecção transmitida por carrapatos ou possível outra coinfecção permite que o micoplasma se prolifere e cause sintomas multissistêmicos por todo o corpo. Muitos sintomas que ocorrem na doença de Lyme também podem ser causados por micoplasma.


A infecção por micoplasma pode estar localizada em certas áreas do corpo (como os pulmões) ou pode ser mais disseminada e sistêmica. As partes do corpo onde os sintomas podem se manifestar incluem:


Articulações: Micoplasma comumente infecta o revestimento sinovial das articulações, o revestimento que protege as articulações.


Músculos: a dor muscular causada pela quebra das fibras musculares é comum na infecção sistêmica por micoplasma.


Coração: Micoplasma pode causar inflamação do coração, como endocardite, miocardite, pericardite.


Nervos: Micoplasma elimina as gorduras da bainha de mielina que cobre o tecido nervoso. O envolvimento do nervo pode estar associado a dor neuropática, como queimação e formigamento nas mãos e nos pés. A inflamação do cérebro, que contribui para a insônia, nevoeiro cérebral, depressão e ansiedade, é comum na infecção sistêmica por micoplasma.


Sistema imunológico: Micoplasma é um dos principais candidatos para explicar a autoimunidade; estimula a autolesão do hospedeiro e pode viver dentro das células, ao mesmo tempo que desativa a capacidade do sistema imunológico de reconhecer a célula como anormal.


Pulmões: Micoplasma nos pulmões contribui para os sintomas respiratórios, como dor de garganta, tosse, febre, dor de cabeça, mal-estar, coriza, bronquite e pneumonia.


Trato digestivo: A infecção intestinal por micoplasma destrói as vilosidades - projeções em forma de dedo no intestino delgado que ajudam na absorção dos alimentos - e compromete a barreira intestinal. Isso permite o dano acelerado por lectinas em grãos (especialmente trigo), feijão, soja e laticínios. Micoplasma pode contribuir para o intestino permeável ou aumento da permeabilidade intestinal. A infecção intestinal grave por micoplasma pode levar a deficiências nutricionais e perda de peso. A infecção da mucosa gástrica (revestimento do estômago) pode causar gastrite crônica com náusea e desconforto gástrico.


Orelhas: A infecção por micoplasma tem sido associada à perda de audição e zumbido nos ouvidos.


Olhos: Os olhos podem ser afetados por micoplasma com problemas como conjuntivite, edema ocular e perda de visão.


Sistema reprodutivo: Pode contribuir para a cistite intersticial, uma condição da bexiga marcada por dor intensa e frequência urinária.


Diagnosticando Micoplasma e as limitações dos testes


O teste mais comum é a sorologia, que busca anticorpos contra o micoplasma. Em alguns pacientes os anticorpos IgM não são detectados no estágio inicial, mas pode permanecer por um longo período.


Quando se trata de testes, a PCR (reação em cadeia da polimerase) é o método mais preciso para testar o micoplasma. É econômico e avalia a presença de material genético de micoplasma, um teste que é fácil, sensível e rápido de se obter na maioria dos laboratórios.


Mas como principal limitação, o micoplasma precisa estar presente no tecido que a amostra foi obtida.


Outra limitação é porque testa apenas um punhado de espécies de micoplasma e se concentra principalmente no diagnóstico de infecções respiratórias agudas ou por micoplasma genital - não infecções crônicas de baixo grau.


Outro problema com o diagnóstico de micoplasma é que a ciência convencional não reconhece as infecções crônicas por micoplasma como sendo significativas. Embora o micoplasma seja comumente encontrado em associação com doenças crônico-degenerativas, também é encontrado em um terço a dois terços de qualquer população sem causar sintomas. Em outras palavras, presume-se que o micoplasma simplesmente está lá, mas não é realmente um fator que contribui para a doença.


Esse tipo de pensamento é simplesmente um reflexo de não entender como os micróbios furtivos operam. Micoplasma não causa doenças, a menos que tenha a oportunidade de fazê-lo. Indivíduos com um sistema imunológico saudável podem abrigar micoplasma e sofrer poucos efeitos nocivos. Se a função imunológica for interrompida por fatores ambientais ou uma coinfecção com outros micróbios furtivos, entretanto, o micoplasma pode definitivamente contribuir para doenças crônicas.


Micróbios furtivos só causam problemas quando a função imunológica é suprimida. Tratar das causas da disfunção imunológica crônica subjacente que permitiu o florescimento do micoplasma é a solução mais eficaz para superar as infecções crônicas.


Soluções Médicas Convencionais


A natureza do micoplasma o torna muito resistente às terapias convencionais. Muitos antibióticos têm como alvo as paredes celulares; uma vez que o micoplasma não tem um, várias classes de antibióticos são ineficazes contra o micróbio. Alguns outros antibióticos (doxiciclina, eritromicina, claritromicina ou azitromicina) bloqueiam as funções internas das bactérias e têm alguma atividade contra o micoplasma, mas a atividade é limitada pelo fato de que a bactéria micoplasma só vive dentro das células onde os antibióticos têm penetração baixa.


Quando se trata de infecções crônicas por micoplasma, a melhor abordagem é apoiar o potencial de cura natural do corpo.


Considerações finais


O caminho ideal para a recuperação do micoplasma crônico envolve a eliminação de alimentos processados artificialmente em favor de refeições inteiras e densas em nutrientes, reduzir a exposição a toxinas e controlando o estresse crônico - tudo isso perturba a função imunológica e abre o caminho para micróbios furtivos florescerem. Ao minimizar esses fatores, você pode começar a conter as infecções crônicas por micoplasma e apoiar seu corpo no processo de cura.

99 visualizações0 comentário

Locais de

Atendimento

Redes

Sociais

  • Facebook
  • Preto Ícone LinkedIn
  • Instagram
  • Preto Ícone YouTube

Unidade Morumbi

 

Morumbi Medical Center

Rua José Jannarelli, 199 Conj 22

São Paulo - SP

Tel: 11 3721-3004

Unidade HIAE

 

Hospital Israelita Albert

Einstein

Av. Albert Einstein, 627  Cons 213 - Bloco A1

São Paulo - SP

Tel: 11 2151-3223

© 2019 by CELJr. Proudly created with Wix.com