Neuropatia na doença de Lyme


A doença de Lyme pode afetar vários sistemas do corpo - cérebro, sistema nervoso, articulações, coração e muito mais - e, portanto, a lista de sintomas que os indivíduos infectados podem apresentar é extensa e varia de pessoa para pessoa. É uma das razões pelas quais o diagnóstico da doença de Lyme pode ser controverso, mas uma coisa em que todos parecem concordar sobre a doença transmitida por carrapatos é que ela pode impactar significativamente o sistema nervoso, especialmente sem que seja feito o tratamento imediato nos estágios iniciais da infecção.


Infelizmente, Lyme muitas vezes passa despercebida no início. O sinal revelador de uma infecção de Lyme - uma erupção cutânea com eritema migrans (EM), ou a erupção cutânea clássica do tipo "em alvo" - não ocorre em todos os casos (a frequência real é desconhecida porque a doença é tão subnotificada, mas estatisticamente gira em torno de 30% dos casos). E os sintomas iniciais da infecção podem ser nada mais do que febre, calafrios, dor de cabeça, fadiga ou dores musculares, tornando-os fáceis de ignorar ou ignorar como um caso de gripe.


Mas, à medida que a doença avança, a bactéria associada ao Lyme, Borrelia burgdorferi, se espalha pela corrente sanguínea para outras partes do corpo, um processo conhecido como disseminação. A doença de Lyme disseminada ocorre nas semanas após a infecção, conhecida como doença de Lyme disseminada precoce.


Se uma infecção não for tratada por meses a anos, no entanto, há uma boa chance de que a infecção prossiga para o estágio tardio ou para a doença de Lyme disseminada tardia, a forma da doença também conhecida como doença de Lyme crônica. Nesta fase, o sistema nervoso pode ser envolvido e os sintomas aumentam para um nível totalmente novo.


Um sintoma debilitante que pode estar presente entre aqueles com a forma crônica da doença é a neuropatia periférica (também conhecida como neuropatia), um processo de doença que afeta os nervos localizados fora do cérebro e da medula espinhal. A neuropatia ocorre quando há dano ou disfunção de neurônios (células nervosas) em um ou mais nervos.


O dano resulta em interferência entre os neurônios, e eles começam a ter dificuldade de se comunicar uns com os outros e com o cérebro. Para piorar a situação, coinfecções como Babesia e Bartonella também podem contribuir para a neuropatia.



Sintomas de Neuropatia

Normalmente, a neuropatia se desenvolve em vários nervos que enervam às mãos e aos pés, causando desconforto que varia de irritação leve a deficiência significativa. Os sintomas da neuropatia na doença de Lyme podem ser semelhantes aos de outras doenças, como diabetes, doenças autoimunes, deficiências nutricionais (B12, B6, B1, cobre e vitamina E), diferentes tipos de infecções e muitas outras.


A neuropatia usualmente começa gradualmente e piora com o tempo. Os sintomas podem incluir:


Dor que pode ser descrita como "aguda", "ardente" ou "latejante"

Sensações de formigamento de alfinetes e agulhas, mais frequentemente nas mãos e nos pés

Dormência ou capacidade reduzida de sentir sensações

Sensibilidade severa ao toque

Piora da dor durante a noite

Fraqueza muscular

Perda de coordenação em mãos e pés


Como diagnosticar neuropatia

Para a maioria das pessoas, um diagnóstico de neuropatia pode ser baseado na avaliação neurológica. Os testes a seguir podem ser úteis para identificar a condição, bem como descartar possíveis causas e fatores contribuintes.


Exame neurológico: durante um exame neurológico, o médico avalia os reflexos; capacidade de sentir sensações como calor, frio e dor; coordenação; força muscular; e tônus ​​muscular.


Exames de sangue: exames de sangue são pedidos para avaliar deficiências nutricionais, funções de órgãos, toxinas e a presença de uma resposta imune atípica.


Testes de eletrodiagnóstico (EDX): o teste de EDX verifica como os músculos e nervos estão funcionando, medindo sua atividade elétrica, o que ajuda a determinar a extensão do dano ao nervo. Dois procedimentos comumente usados ​​são eletromiografia (ENM) e velocidade de condução nervosa (VCN).

Durante uma EMG, pequenos eletrodos de agulha são inseridos através da pele no músculo para medir a atividade elétrica enquanto o músculo está em repouso, durante uma contração leve e durante uma contração poderosa. Frequentemente, a VCN será concluída ao mesmo tempo que o EMG, o que ajuda a avaliar ainda mais a quantidade e a velocidade com que um impulso elétrico se move através de um nervo.


Outros testes: a necessidade de outros testes dependerá da gravidade dos sintomas e pode incluir testes sensoriais especializados, testes genéticos ou uma biópsia com amostras de tecido de um nervo, músculo ou pele.


Se você está lidando com neuropatia, uma abordagem de tratamento multifacetada centrada em fornecer alívio dos sintomas, reduzir a inflamação crônica e fortalecer seu corpo o ajudará em seu caminho para a recuperação.


Estratégias para controlar a dor neuropática


1. Reduzir a carga microbiana.

Quando você está lidando com a doença de Lyme e coinfecções, nem sempre é fácil identificar qual patógeno furtivo está afetando seu sistema nervoso. Na verdade, é mais razoável reconhecer que todos os micróbios furtivos são capazes de interromper a função imunológica e causar o seu mau funcionamento.


Quando a carga microbiana do seu corpo se torna muito grande, o seu microbioma fica desequilibrado, levando à inflamação e agravando a neuropatia. Assim, no topo da lista de prioridades está a diminuição da carga infecciosa para normalizar e acalmar o sistema imunológico.


Neste momento o uso de antibióticos deve ser aventado com o objetivo de controlar a carga de patógenos e controlar a doença.


2. Uso de medicamentos específicos.

Quando se trata de neuropatia, a realidade é que com frequência é necessário o uso de algum suporte extra para que os níveis de dor atinjam um nível tolerável. A lista de medicamentos comumente recomendados inclui:


Antiinflamatórios não esteróides (AINEs), como ibuprofeno ou aspirina

Antidepressivos como amitriptilina, duloxetina e nortriptilina

Anticonvulsivantes (medicamentos anticonvulsivantes), incluindo gabapentina e pregabalina

Agentes tópicos, como lidocaína e capsaicina

Oléo de CBD



3. Esteja atento ao que você come.

Alimentos processados, açúcar, glúten e laticínios tendem a ser inflamatórios para a maioria das pessoas, e eles negligenciam o fornecimento dos nutrientes vitais de que seu corpo precisa para manter a neuropatia sob controle e controlar a dor. Esses tipos de alimentos não são apenas uma fonte insuficiente de nutrição, mas muitos também contêm ingredientes artificiais como corantes, conservantes e outros aditivos que contribuem para a inflamação e aumentam a dor. Além disso, alimentos e bebidas que contêm glúten, sal e álcool podem exacerbar os sintomas - tente evitá-los o melhor que puder.


Comece substituindo alimentos refinados pré-embalados por vegetais ricos em nutrientes, frutas com baixo teor de açúcar, carnes magras e gorduras saudáveis, especialmente aquelas com alto teor de ômega-3 que combatem a inflamação. Uma boa regra a seguir é encher seu prato com pelo menos 50% de vegetais.


Com essa estratégia, você estará no caminho certo para minimizar a ingestão de alimentos problemáticos. Se você não tem certeza se um determinado alimento está causando um surto, pode optar por começar uma dieta de eliminação e manter um diário alimentar para que possa identificar com mais precisão os gatilhos que podem estar contribuindo para a gravidade do problema.


Embora às vezes seja difícil fazer mudanças na dieta, comece devagar e faça uma mudança de cada vez. Antes que você perceba, você vai pegar o jeito - em breve, você estará abastecendo seu corpo com uma abundância de alimentos ricos em antioxidantes e antiinflamatórios.


4. Obtenha um sono adequado.

O sono insatisfatório pode causar estragos no sistema imunológico, aumentar a inflamação e aumentar a intensidade da dor. No entanto, a neuropatia pode ser exatamente o que mantém o paciente acordado à noite - aumentando o ciclo vicioso de dor e inflamação.


Para obter as oito horas recomendadas de sono por noite, considere tomar um banho de sais de Epsom a uma temperatura confortável antes de deitar. O magnésio nos sais de Epsom atua como um agente calmante natural para o sistema nervoso e relaxa os músculos. Além disso, a ioga suave à noite pode liberar a tensão e minimizar os níveis de dor.


Finalmente, para algumas pessoas, a chave para uma noite de sono melhor está literalmente no colchão. Se as manhãs são particularmente desafiadoras para você, essa é uma pista de que sua cama pode ser a culpada, e você pode precisar investir em um colchão mais confortável como uma forma de diminuir a dor.


5. Considere as terapias adjuvantes.

Além de ervas, suplementos e mudanças no estilo de vida, você pode descobrir que precisa de mais ajuda para melhorar a função das extremidades afetadas e melhorar sua qualidade de vida. Terapias auxiliares como terapia física e ocupacional, quiropraxia, acupuntura, exercícios, ioga, meditação e outras terapias mente-corpo podem ser uma bênção para pessoas com neuropatia.



No entanto, sempre que você decidir tentar uma nova terapia ou exercício, vá devagar. Para algumas pessoas, o esforço excessivo e a manipulação manual do sistema músculo-esquelético podem ser um gatilho e intensificar a dor neuropática.


6. Suplementos podem ajudar na neuropatia.

Alguns suplementos podem auxiliar na reparação dos nervos ou da bainha de mielina – uma espécie de encapamento que recobre os nervos. Dentre estes temos:


L-acetil-carnitina: Alguns estudos demonstram que a L-acetil-carnitina ajuda a controlar a dor e pode melhorar a condução nervosa em pacientes com neuropatia.


Vitaminas do complexo B: B-12, B-6 e outras vitaminas do complexo B também podem aliviar os sintomas de neuropatia. As vitaminas do complexo B desempenham um papel essencial na saúde dos nervos, no metabolismo e na percepção sensorial. As deficiências do complexo B são relativamente comuns e uma pessoa pode desenvolver uma deficiência após apenas algumas semanas de ingestão inadequada.


Ácido Alfa-lipóico: O ácido alfalipóico (ALA) pode ajudar a reverter os danos dos radicais livres e intensificar os efeitos dos antioxidantes, que podem retardar ou interromper os danos aos nervos. Vários estudos sugerem que o ALA pode oferecer alívio para alguns sintomas de neuropatia, especialmente dores em queimação e pontadas, em poucas semanas.


N-acetil cisteína: NAC pode proteger o sistema neurológico de inflamação e danos, o que pode ajudar a prevenir ou tratar a neuropatia.



Em última análise, quando se trata de curar a neuropatia, não há solução rápida - os nervos requerem tempo e paciência para curar. No entanto, reduzindo a carga de patógenos furtivos em seu corpo, minimizando as fontes de inflamação crônica, comendo alimentos nutritivos e acalmando seu sistema nervoso, você percorrerá um longo caminho fornecendo a seu corpo as ferramentas de que ele precisa para reparar e regenerar seus neurônios.

240 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo