O vírus Epstein-Barr


Então, você está experimentando sintomas de cansaço, dor, dor de garganta e, possivelmente, gânglios linfáticos inchados e febre baixa que simplesmente não passa.


Você pesquisou seus sintomas no Google e a mononucleose surge como uma possibilidade provável. Mas se você já passou da idade escolar, a mononucleose não é muito comum.


Síndrome da fadiga crônica, fibromialgia e até doença de Lyme são outras possibilidades que você pode ter cogitado, especialmente se tiver sintomas além dos mencionados acima. Mas então você se deparou com algo chamado vírus Epstein-Barr reativado, que se ajusta perfeitamente aos seus sintomas.


Se você está ciente de que o vírus Epstein-Barr (EBV) é a causa da mononucleose, você pode estar se perguntando: Qual é a diferença entre EBV reativado cronicamente e mononucleose? E, além disso, o que torna crônico o EBV reativado - e como ele atua com outras doenças crônicas?


Para descobrir, continue lendo para aprender mais sobre este micróbio complexo e complicado chamado vírus Epstein-Barr e o que pode torná-lo um causador de problemas de longa data.


Quase todo mundo tem EBV


Vamos começar com o fato de que o EBV é muito mais comum do que você pode imaginar: aproximadamente 95% da população mundial foi infectada com ele.


Outro fato interessante é que é um vírus do tipo herpes. Sim, você leu certo: o EBV é um parente próximo do herpes genital. Conhecido tecnicamente como Herpesvírus Humano 4 (HHV-4), é o 4º lugar na lista de nove vírus do tipo herpes diferentes que podem infectar humanos.


Os vírus herpes são compostos de fitas de DNA dentro de um envelope. Após a infecção inicial, eles permanecem dormentes nos tecidos indefinidamente, mas podem ser reativados se as funções do sistema imunológico ficarem deprimidas.


Em outras palavras, se você já foi infectado com um herpesvírus como o EBV, você sempre o carregará em seus tecidos.


EBV pode se espalhar como um incêndio florestal


A maioria das pessoas é infectada pelo EBV quando bebês ou crianças pequenas. O vírus se espalha principalmente por via oral através da saliva. Para entrar no corpo, ele infecta as membranas mucosas que revestem a boca, a garganta e o estômago. A partir daí o vírus infecta as células B, o tipo de glóbulo branco que produz anticorpos. Também infecta células T e células assassinas naturais, mas em menor extensão. Os glóbulos brancos infectados transportam o EBV por todo o corpo.


Nessa fase ativa, chamada de fase lítica, o vírus assume a maquinaria das células infectadas para gerar novos vírus. É quando as pessoas são mais sintomáticas e contagiosas.


O vírus se espalha com notável facilidade, especialmente em crianças. É mais comumente espalhado por pessoas que são infectadas, mas não sabem disso - creches, babás, avós com grandes beijos molhados. Depois disso, as crianças infectadas passam rapidamente para outras crianças.


O que é uma coisa muito boa - porque se você pegou quando era bebê ou criança (lembre-se de agradecer a sua avó), você normalmente não fica muito doente. Na verdade, é improvável que você se lembre da infecção.


Somente se você não pegar EBV em uma idade jovem e depois ficar exposto mais tarde na vida, quando seu sistema imunológico está suprimido, você corre o risco de desenvolver a forma de EBV chamada mononucleose.


Conhecida como doença do beijo, a mononucleose infecciosa (MI) é transmitida pelo contato íntimo com alguém que liberou o vírus. Normalmente ocorre em adultos jovens que não foram expostos no início da vida. Geralmente, ela pega a pessoa desprevenida quando as funções do sistema imunológico estão deprimidas, como durante o estresse do colégio ou faculdade.


Comparado ao EBV que ocorre na infância, a MI é muito mais grave: os sintomas comuns incluem dor de garganta, febre, fadiga intensa e gânglios linfáticos inchados. Pode se arrastar por meses e ser bastante debilitante.


Quer o encontro inicial com o EBV ocorra como uma infecção inócua quando criança ou como mononucleose debilitante como um jovem adulto, o sistema imunológico do hospedeiro eventualmente ganha terreno e a infecção é contida.


O vírus, entretanto, não é erradicado. Ele persiste dentro das células B de memória, um tipo de glóbulo branco que retém a “memória” de uma infecção para referência futura - exceto neste caso, as células são sabotadas para armazenar o vírus real. As células B de memória infectadas com EBV se acumulam no tecido linfóide e no tecido nervoso e permanecem lá por toda a vida.


Esse estado dormente é conhecido como fase latente. Tradicionalmente, as pessoas na fase latente não eram consideradas infecciosas. Mas com todos os funcionários da creche, professores, avós e estudantes universitários ativamente espalhando o vírus sem saber, ficou claro que alguém pode ser muito infeccioso sem estar doente. Na verdade, evidências recentes apoiam que as pessoas frequentemente eliminam vírus ativamente dos tecidos tonsilares sem apresentar sintomas significativos - Tonsilas palatinas ou amígdalas são estruturas presentes na orofaringe (percurso entre boca e faringe) constituídas por aglomerados de tecido linfoide ricas em glóbulos brancos.


De qualquer maneira, esteja o EBV completamente inativo ou infeccioso sem sintomas, o vírus geralmente não causa problemas significativos, desde que as funções do sistema imunológico sejam robustas. Você pode carregá-lo por uma vida inteira sem saber - como a maioria das pessoas.


No entanto, permita que o sistema imunológico seja interrompido - por estresse, dieta pobre e outros fatores-chave que explorarei abaixo - e o EBV pode ser reativado, causando sintomas semelhantes aos da mononucleose, mas muito piores.


EBV reativado pode se tornar crônico


Os sintomas de EBV reativado incluem fadiga crônica severa, dor crônica, dor de garganta crônica e irritação das membranas mucosas, linfonodos inchados e uma variedade de sintomas neurológicos debilitantes. Os sintomas podem aumentar e diminuir durante anos. Os casos graves podem incluir evidências de disfunção hepática, supressão imunológica e anemia.


A explicação mais plausível para o porquê do EBV reativado crônico ser tão grave e implacável é que não é apenas o EBV que está em jogo.


É aqui que as coisas ficam interessantes e complicadas.


As pessoas geralmente carregam outros vírus do herpes além do EBV. A lista inclui Herpes simplex tipos 1 e 2 (herpes oral e genital), vírus da varicela-zoster (que causa varicela e herpes zoster), citomegalovírus (CMV), HHV-6 tipos a e b, HHV-7 e HHV-8.


Embora todos estejam relacionados, cada um desses vírus infecta o corpo de uma maneira diferente - portanto, eles causam perfis de sintomas ligeiramente diferentes. De maneiras importantes, eles são extremamente comuns: eles permanecem dormentes nos tecidos e podem ser reativados como o EBV.


Se a interrupção das funções imunológicas de uma pessoa permitir a reativação de vários herpesvírus de uma vez, os sintomas podem ser graves e altamente variáveis.


Mas esse não é o fim da história.


Descobriu-se que muitas pessoas com doença de Lyme crônica têm reativação do EBV, junto com outros herpesvírus e uma lista de outros micróbios, incluindo Mycoplasma, Bartonella, Chlamydia e novos micróbios adicionados à lista todos os dias.


Isso sugere fortemente que a reativação do EBV provavelmente piora os sintomas da doença de base.


As conexões entre o EBV e as doenças crônicas são muitas

Os cientistas estão apenas começando a explorar a ligação entre o EBV crônico e outras doenças crônicas, mas uma das mais bem pesquisadas é a relação do EBV com a esclerose múltipla (EM). Muitos estudos definiram uma variedade de mecanismos diferentes pelos quais o vírus poderia iniciar e perpetuar a EM - não o suficiente para definir o EBV como a única causa da EM, mas altamente sugestivo de que desempenha um papel na doença.


Da mesma forma, estudos mostraram altas cargas virais de EBV ativo em uma alta proporção de pacientes com uma variedade de doenças autoimunes, incluindo artrite reumatoide, lúpus eritematoso sistêmico, síndrome de Sjögren e tireoidite autoimune. Novamente, uma ligação forte, mas não o suficiente para sugerem causa absoluta de EBV sozinho.


Freqüentemente chamados de patógenos furtivos, esses vírus e muitos outros micróbios compartilham características furtivas semelhantes:


- Eles têm a capacidade de viver dentro das células.


- Eles infectam os glóbulos brancos e são transportados por todo o corpo, especialmente para áreas de inflamação.


- Eles podem persistir em um estado dormente.


- Eles são manipuladores mestres do sistema imunológico.


- Eles podem existir em pessoas saudáveis ​​sem causar doenças.


- Eles estão presentes em todas as populações do mundo.


Quanto mais fundo você cava, mais conexões você encontra entre doenças crônicas e micróbios furtivos. Mas depois de um tempo, você começa a perceber que não são tanto os micróbios causando problemas, mas sim a interrupção das funções imunológicas do hospedeiro que permite que esses micróbios floresçam.


Em outras palavras, uma pessoa pode estar abrigando uma variedade de micróbios furtivos - EBV, CMV, HHV-7, Borrelia, Bartonella, Mycoplasma, Chlamydia e outros - e não estar doente, desde que as funções de seu sistema imunológico sejam robustas.


Deixe as funções do sistema imunológico vacilarem, entretanto, e os micróbios irromperão e causarão doenças. A disfunção imunológica crônica é desencadeada pela tempestade perfeita



Os 5 disruptores do sistema são:


1. Má alimentação. Vivemos em um mundo saturado de alimentos manipulados artificialmente. O consumo regular desses alimentos perturba todos os sistemas do corpo.


2. Toxinas. O mundo moderno está com altas cargas de toxinas artificiais, essas toxinas perturbam todos os sistemas de cura do corpo.


3. Estresse emocional. Viver continuamente em estresse inibe a digestão, suprime a função imunológica, perturba o sono e prepara o terreno para doenças crônicas.


4. Estresse físico. Trauma cumulativo, calor ou frio excessivo causam danos ao corpo, mas viver uma vida sedentária pode ser igualmente prejudicial.


5. Micróbios. Os efeitos desse desregulador do sistema preparam o terreno para doenças crônicas.


Em última análise, entendendo tudo isso é uma ótima notícia para aqueles com EBV reativado crônico: significa que o poder de retomar o controle de sua saúde e se sentir melhor está em suas mãos. Ao aprender como limitar os desreguladores do sistema em sua vida, você começará a fortalecer sua função imunológica para poder viver em harmonia com micróbios como o EBV.


Fonte: Dr. Bill Raws

336 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Glutationa