Monolaurina e doença de Lyme


A monolaurina é um produto químico derivado do ácido láurico e da glicerina e é um subproduto da gordura do coco. Nas últimas duas décadas, cientistas pesquisadores vêm investigando possíveis aplicações da monolaurina na medicina, sanitização e preservação de alimentos.

Para aqueles que sofrem de doença crônica de Lyme ou PTLDS, procurar suplementos naturais como a monolaurina pode ser uma opção. A monolaurina é um ácido graxo de cadeia média de ocorrência natural encontrado no óleo de coco com propriedades antimicrobianas documentadas em estudos de laboratório.



Formas e doses

A monolaurina pode ser tomada diariamente como suplemento dietético. Você pode encontrar monolaurina em sua loja local de alimentos saudáveis ​​ou loja de vitaminas.


O óleo de coco e certos produtos de coco contêm aproximadamente 50% de ácido láurico. A monolaurina é muitas vezes mais eficaz que o ácido láurico para matar vírus e bactérias.


O ácido láurico pode ser ingerido no óleo de coco e seu corpo o converterá em monolaurina, mas os pesquisadores não têm certeza das taxas de conversão. Por causa disso, é impossível dizer quanto óleo de coco você precisaria ingerir para receber uma dose terapêutica de monolaurina. Alguns artigos sugerem que pode ser mais de 100-300mL de óleo de coco por dia, tornando a ingestão de óleo de coco irreal em comparação com cápsulas de monolaurina.



As principais fontes de ácido láurico são:


Suplementos alimentares

Óleo de coco - a maior fonte natural de ácido láurico

Creme de coco, cru

Creme de coco, enlatado

Coco ralado fresco

Pudim de coco

Leite de coco

Leite materno humano

Leite de vaca e cabra - contendo pequenas porcentagens de ácido láurico


O óleo de coco é um óleo comestível e não tóxico usado em todo o mundo como óleo de cozinha padrão. Qualquer pessoa com alergia ao coco não deve ingerir óleo de coco, mas os efeitos adversos são improváveis.


Benefícios para a saúde

As pessoas tomam suplementos de monolaurina para estimular a saúde imunológica e o bem-estar geral, mas há poucos dados científicos para respaldar essas alegações. Estudos investigaram os efeitos antimicrobianos do óleo de coco, ácido láurico e monolaurina, mas a maioria desses estudos foi realizada em tubos de ensaio e placas de Petri (in vitro).


Suas propriedades antimicrobianas foram claramente estabelecidas, mas são necessárias mais pesquisas para testar os efeitos da monolaurina em seres vivos.


Efeitos antibacterianos

A pesquisa mostra que a monolaurina é um assassino eficaz de bactérias, incluindo Staphylococcus aureus resistente a antibióticos. Um estudo de 2013 publicado no Journal of Medicinal Food confirmou os resultados de outros estudos in vitro que mostraram o poder antibacteriano da monolaurina. Também mostrou que a monolaurina combate pelo menos parcialmente o Staphylococcus aureus em camundongos.


Um estudo de 2007 no Journal of Dermatology Drugs comparou a monolaurina a seis tipos comuns de antibióticos no tratamento de infecções superficiais da pele pediátrica. O estudo encontrou efeitos antibiótico de amplo espectro estatisticamente significativos sem qualquer resistência dos antibióticos comuns.


Em relação às bactérias que causam a doença de Lyme, a monolaurina tem algumas pesquisas interessantes que podem apoiar seus benefícios potenciais.


Um estudo in vitro de 2015 testou a monolaurina nas bactérias Borrelia burgdorferi e Borrelia garinii (as bactérias que causam a doença de Lyme em humanos) e concluiu:


"Os compostos antimicrobianos mais eficazes contra todas as formas morfológicas da Borrelia sp. testados foram baicaleína e monolaurina. Isso pode indicar que a presença de ácidos graxos e grupos fenil é importante para a atividade antibacteriana abrangente."


A monolaurina pode possuir qualidades naturais de "rebentamento de biofilme" e tem sido objeto de vários estudos de laboratório que exploram a capacidade potencial dos compostos de dissolver biofilmes in vitro. Os biofilmes fornecem às bactérias um esconderijo, formando uma barreira física e causando alterações fisiológicas nas células. A eliminação do biofilme é essencial para matar as bactérias e eliminar infecções como a doença de Lyme.


Monoacilgliceróis como a monolaurina são reconhecidos como seguros e foram testados em laboratório para inibir biofilmes. Um estudo explica:


“Monoacilgliceróis com dois comprimentos específicos de fração de ácido graxo, monolaurina e monobehenina, foram encontrados para ter forte atividade inibitória para a formação de biofilme bacteriano de S. mutans, X. oryzae e Y. enterocolitica de uma maneira específica nessas cepas. Em primeiro lugar, este resultado sugeriu que a formação de biofilme não foi inibida pelas características detergentes dos monoacilgliceróis. Esta sugestão foi apoiada pela ação inibitória da monolaurina no desenvolvimento do biofilme, mas não na ligação celular inicial de Y. enterocolitica na observação de citometria de fluxo. ”



Efeitos antifúngicos

Vários fungos, leveduras e protozoários são inativados ou mortos pela monolaurina, incluindo algumas espécies de micose e Candida albicans. Candida albicans é um patógeno fúngico comum que vive no intestino, boca, genitais, trato urinário e pele. Pode ser fatal em pessoas imunocomprometidas.


Um estudo recente descobriu que a monolaurina tem potencial como tratamento antifúngico para candida albicans – e que também pode reduzir uma resposta pró-inflamatória.


Efeitos antivirais

É relatado que alguns dos vírus que foram inativados, pelo menos parcialmente, pela monolaurina incluem:


HIV

Sarampo

Herpes simples-1

Citomegalovírus

Epstein-barr

Influenza


Um estudo de 2015 publicado na PLOS ONE testou um gel vaginal de monolaurina em primatas fêmeas. Os pesquisadores descobriram que doses diárias de gel de monolaurina podem reduzir o risco dos primatas de contrair SIV por via vaginal, a versão primata do HIV. Os pesquisadores concluíram que a monolaurina tem grande potencial como profilático.


Efeitos na microbiota intestinal

Em um intestino permeável, a barreira dentro do intestino que já foi eficaz na absorção de nutrientes funciona mal e permite a entrada de grandes moléculas e germes produzindo um amplo espectro de sintomas. O intestino permeável está associado à síndrome da fadiga crônica, asma, autismo, lúpus, esclerose múltipla, esclerodermia, enxaquecas e até alergias alimentares. Nessa situação, o microbioma intestinal fica comprometido. A monolaurina pode se tornar um suplemento interessante neste caso.


Um estudo descobriu que o consumo de ácidos graxos de cadeia média, como a monolaurina do óleo de coco, ajudou a remodelar o microbioma intestinal, alterando a distribuição de boas bactérias onde elas eram mais necessárias. Além disso, foi sugerido que tomar monolaurina tem algumas propriedades anti-obesidade limitadas.


"Aqui, descrevemos como os triglicerídeos de cadeia média (MCT), anteriormente encontrados para promover o catabolismo lipídico, gasto de energia e perda de peso, podem melhorar a saúde metabólica por meio de sua capacidade de melhorar o ecossistema intestinal e a permeabilidade. Dietas enriquecidas com MCT podem, portanto, ser usadas para gerenciar doenças metabólicas através da modificação da microbiota intestinal."


Efeitos colaterais e riscos

Embora a FDA não tenha aprovado a monolaurina para o tratamento de qualquer condição médica ou doença, ela recebeu o status de fonte confiável geralmente reconhecida como segura. Isso significa que a monolaurina é geralmente considerada segura para uso em alimentos, mesmo em grandes quantidades. Mas podem existir limites de quantidade em alimentos padronizados com rotulagem nutricional, como barras de granola.


Os únicos riscos associados à monolaurina são aqueles relacionados à fonte da qual é derivado, o óleo de coco. Alergias alimentares são comuns, mas reações alérgicas graves ao coco são raras, mesmo entre pessoas alérgicas a nozes.


Não há riscos, interações ou complicações conhecidas com a monolaurina como suplemento dietético.


Dicas para tomar monolaurina

Certifique-se de que os suplementos alimentares vêm de uma fonte respeitável. Suplementos dietéticos não são regulamentados, portanto, cuidado com aditivos desconhecidos.

Aumente o uso de óleo de coco. Embora o óleo de coco não seja ótimo para fritar, é perfeito para fritar em fogo médio. Tente usar óleo de coco em receitas que pedem canola ou outros óleos vegetais.

Quando o óleo de coco é aplicado topicamente, pode ser calmante e hidratante.


A pesquisa científica moderna sobre a monolaurina é extremamente limitada e ocorre principalmente in vitro. Os resultados, no entanto, são promissores.


No futuro, a monolaurina ou o ácido láurico podem ser regulados e usados ​​como agentes antivirais, antibacterianos ou antifúngicos. Mas, por enquanto, há pouca desvantagem em tomar um suplemento de monolaurina. Seus efeitos antimicrobianos podem, teoricamente, impulsionar seu sistema imunológico.


Protocolos de tratamento especializado que aproveitam as propriedades potenciais de saúde da monolaurina têm sido utilizados por alguns profissionais médicos. Um médico e autor, Dr. Richard Horowitz, cuja clínica tratou mais de 12.000 pacientes nos últimos 26 anos, escreveu sobre a monolaurina em seu livro de 2017 intitulado “Como posso melhorar? um plano de ação para o tratamento de doenças crônicas e resistentes de Lyme”. O livro afirma:


"Monolaurina, um extrato de óleo de coco, também demonstrou recentemente ter a capacidade de afetar significativamente as três formas morfológicas de Borrelia burgdoferi e Borrelia garinii: espiroquetas, formas latentes de corpo redondo e biofilmes de borrelia, enquanto simultaneamente diminui o crescimento excessivo de leveduras no trato gastrointestinal."


A monolaurina não tem um limite superior seguro definido, mas muitos encontraram resultados imunológicos positivos ao tomar duas cápsulas de 600mg diariamente com as refeições. Qualquer tratamento deve ser administrado sob a orientação e supervisão de um profissional de saúde.


Como obter o melhor suplemento de monolaurina:

Fonte de Monolaurina (Coco vs. Palma): Procure um rótulo que confirme a fonte de coco - que pode ser de maior qualidade e potência do que o óleo de palma.


Entrega de Monolaurina (Cápsula vs. Pellets vs. Pó): Pellets podem não digerir totalmente, e o pó tem um gosto muito ensaboado/amargo. A cápsula é o formato mais conveniente, preciso e popular para tomar Monolaurina como suplemento.


Miligramas por Cápsula (300mg, 600mg, 800mg): Algumas doses de monolaurina podem ficar bastante altas, portanto, um enchimento maior da cápsula pode ajudar a reduzir a necessidade de engolir várias cápsulas por dia. Sempre observe o tamanho da porção e “quantidade por porção”. Muitas vezes, os fabricantes aumentam o tamanho da porção para fazer com que a quantidade por porção pareça maior (por exemplo, uma declaração de rótulo de 990mg por dose é, na verdade, para duas cápsulas - meros 495mg por cápsula).


Contagem de cápsulas por frasco (60, 90, 100 cápsulas): Como a monolaurina pode ser tomada por longos períodos de tempo e as doses podem aumentar durante um desafio imunológico, ter algumas cápsulas extras à mão pode ser vantajoso. Embora um frasco possa ter uma alta contagem de cápsulas, observe quantos miligramas são oferecidos por cápsula - você pode estar recebendo menos produto por frasco, apesar de uma alta contagem de cápsulas.


Excipiente (Natural vs. Sintético): Excipientes sintéticos como estearato de magnésio (necessário para máquinas de encapsulamento de alta velocidade) são baratos, mas podem apresentar efeitos colaterais indesejados, como irritação no estômago ou interrupção da absorção. O pó de arroz natural pode ser usado no lugar desses sintéticos e pode não resultar em efeitos colaterais indesejados.


Aditivos (fórmula pura vs. a granel): Alguns fabricantes aumentam seus produtos com aditivos indesejados como inosina, glicerol, vitamina C ou equinácea. Embora individualmente esses aditivos possam fornecer algum benefício, eles também podem interferir na entrega de monolaurina. Ao pesquisar e decidir comprar monolaurina, procure pureza.

80 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo